Ué, isso também é Choque de Gestão?

Funcionalismo. Número de inativos supera em 339% o de ativos na Secretaria de Agricultura e Pecuária

Maioria dos servidores da Defesa Social é terceirizada

Somente na Fhemig, estão prestando serviços 4.000 funcionários

Publicado no Jornal OTEMPO em 06/10/2011

ALINE LABBATE

 

De acordo com a Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2012 apresentada pelo governo de Minas, alguns órgãos públicos estão funcionando praticamente graças ao trabalho de funcionários terceirizados. Na Secretaria de Estado de Defesa Social, por exemplo, dos 28,2 mil trabalhadores, 21,5 mil, ou 76%, são terceirizados. O número representa três vezes e meia a quantidade de concursados do órgão, que é de 6.165 servidores.
A quantidade de terceirizados também supera a de servidores na Secretaria Geral, responsável pelo apoio logístico aos palácios da Liberdade, Mangabeiras e Tiradentes. São 334 com contrato e apenas 195 concursados, ou seja, 71% a mais. Na Fundação Hospitalar de Minas (Fhemig), os servidores efetivos superam os terceirizados. Contudo, é a quantidade dos funcionários que prestam serviços que chama a atenção: 4.000.

Os funcionários admitidos no serviço público sem concurso não possuem as mesmas vantagens trabalhistas dos concursados, como estabilidade e plano de cargos e salários.
No caso da Secretaria de Defesa Social, a maioria dos terceirizados é composta por agentes penitenciários. O salário inicial, de R$ 1.176, é o mesmo dos concursados também em início de carreira, mas, após cinco anos, aqueles que enfrentaram concurso público recebem o quinquênio, o que aumenta o salário em cerca de R$ 110, enquanto os contratados sem concurso continuam com o vencimento inicial. EM 2009, o Ministério Público recomendou ao governo que substituísse os agentes penitenciários contratados por efetivos gradualmente.
Segundo o diretor administrativo do Sindicato dos Agentes Penitenciários de Minas, Adeilton de Souza Rocha, se o governo abrisse concurso público em vez da contratação ampla, toda a sociedade ganharia. “As regras de conduta são mais rigorosas para o servidor público que comete irregularidades. Se todos fossem concursados, o serviço oferecido para a população seria melhor”.

 

Para ler toda a matéria acessar http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=184276,OTE&IdCanal=1

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: